domingo, 24 de outubro de 2010

Morte de Pablo no Hospital Santa Helena pode ter sido por erro médico, acredita a mãe




Na manhã deste sabado, 23, Doralice dos Santos Neves, 44 anos, recebeu a reportagem do Camaçari Notícias em sua casa, no bairro da Bomba e disse que acredita que a causa da morte de seu filho Pablo dos Santos Neves, 20 anos, ocorrido na segunda-feira, 18, foi provocada por negligência e erro médico, no Hospital Santa Helena, em Camaçari. 

Segundo ela Pablo passando mal deu entrada no hospital no sábado, quando o médico Rodrigo Matos Santos, solicitou um exame hemográfico. Liberado Pablo voltou para casa. 

No final do dia a mãe do menino foi buscar o resultado do exame e foi informada que o quadro dele era de dengue e que deveria ser internado. Então familiares foram até a residência e buscaram o jovem e internaram no Hospital Santa Helena, na noite de sábado na enfermaria da unidade e tratado e medicado como se estivesse com dengue. 

Sem poder ficar como acompanhante do próprio filho dentro do hospital, Doralice voltava todas as manhãs e na segunda-feira, por volta das 10h30, percebeu que ele estava com as mãos roxas e a barriga inchada. Desesperada pediu socorro e só ai ele foi encaminhado para a UTI. 

Segundo Dora, o colega de quarto de Pablo no hospital disse que ele passou mal e agonizou a noite toda, desde domingo. No entanto nenhum profissional do hospital percebeu. 

Na segunda-feira, por volta das 16h Pablo veio a óbito e o médico de plantão recusou a dar o atestado com a causa morte, (conforme consta no BO da 18 CP) solicitando o translado do corpo para o Instituto Médico legal da Bahia, que deve se manisfestar em 30 dias. 

Devido a suspeita de dengue, menigite e lepstopirose a vigilância sanitária do município fez as devidas coletas de material e solicitou exames urgentes, sendo as três possibilidades descartadas nos respectivos resultados. Fato ja comunicado a família pela prefeitura. 

" Meu filho foi tratado de uma doença que ele não tinha, a dengue e morreu, por isso que eu acredito que foi uma negligência e um erro médico" lamenta a mãe. 

Quando foi internado, familiares ainda perguntaram se o hospital tinha estrutura para atender o paciente, se nao tivesse ele seria transferido para Salvador, mas acreditando ser um quadro de dengue a unidade hospitalar decidiu cuidar do jovem. 

Provável causa da morte. (só o resultado do IML poderá confirmar) 

Pablo sofreu no mês de julho um acidente de moto, que resultou na colocação de pinos no joelho. 
Ele foi atendido no Hospital Geral de Camaçari e tomou antibióticos durante 20 dias, segundo a mãe.

 
Na semana retrasada ele procurou o HGC para a retirada dos pinos, mas orientado a procurar um hospital  particular ele que tinha convênio da empresa em que trabalhava, a Bridgestone, escolheu o Santa Helena, localizado na Avenida Concêntrica em Camaçari. 

Na segunda-feira, 11 de outubro, o médico Paulo Aguiar, do Hospital Santa Helena retirou os pinos da perna de Pablo.


Na quarta ele relatou aos familiares que estava passando mal, chegando a vomitar.



Na quinta foi ao Santa Helena e tomou soro e foi leiberado.



Na sexta-feira, novamente passando mal foi ao Santa Helena e por falta de médico foi até a Clirca e tomou soro, sendo liberado em seguida.


No sábado ele voltou ao Santa Helena e o médico pediu o exame de hemograma e saindo o resultado na noite do mesmo dia ele foi internado com suspeita de dengue. Fato (dengue)  já descartado pela Vigilância Sanitária de Camaçari. 

A família relata que do ferimento com pino no joelho, estava escorrendo um liquido (tipo pûs)semelhante ao de uma infecção. 

Mesmo assim o médico que lhe atendeu na segunda removeu os pinos o que pode ter espalhado a infecção no sangue  e provocado uma infecção generalizada. 

No entanto, como ele foi tratado, por três dias, como se estivesse com dengue, não foi administrado antibiótico, e a infecção pode ter se alastrado por todo o corpo. Causando o óbito por, provavelmente uma infecção generalizada. É o que acredita a mãe, que está de luto. 

Ela também lamenta que até o momento, passado cinco dias do óbito de seu filho, o Hospital não a procurou para dar satisfação, nem mesmo uma assistente social. 

O hospital também não emitiu nenhuma nota publica e nem procurou a imprensa pra se manifestar. 

Emocionada dona Doralice disse: "Ali não e um lugar confiavel, meu filho entrou com um problema e foi tratado como se tivesse outra doença. Uma vida é muto preciosa. Eles não vão trazer meu filho de volta, mas é preciso que toda a sociedade saiba o que aconteceu".


"Eu encontrei meu filho, na segunda-feira,18, por volta das 10h30, com as mãos roxas, respirando com dificuldade e ninguém do hospital havia percebido a gravidade da situação" chorou. As 16h30, aproximadamente ele morreu, aos 20 anos.

 

Futuro:


Pablo dizia entre os amigos que no final do ano iria dar entrada em uma casa para sua mãe, com o dinheiro que estava recebendo do trabalho.

 
 

 Ela continua morando em uma casa de dois cômodos com um filho de 9 anos, no bairro da Bomba.

 
 

Outro lado:

Pelo telefone número (71) 3622-7555 foi tentado contato com o hospital, encaminhado para  71 3622 7553  não conseguimos falar com a assessoria do hospital.

 
 

O jornal Camaçari Notícias, portanto, coloca se a disposição do Hospital Santa Helena para que ele possa se quiser se manifestar a respeito do assunto.

0 comentários:

Postar um comentário